xororó du goias canta paixão de homem

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Carta de Tiãozin pra papai Noé




Paul Mick tem presente
O Papai Noé li visitô
Mais Tiãozin nun ta contente
Pruquê presente nun ganhô.
Cuma puxa êçi Noé
I eu aqui nêçi cordé
Falanu dum tapeadô!

Fico inté a duvidá
Se este Noé mermu izizti!
Queru inté aquerditá
Qui o meu cordé inté incisti...
Mai aqui cum us meu butão
Eu alevantu éça questão
Du pruquê Tiãozin ta tristi!

As luizinhas colorida
Inté qui eu axu bunitu
Mai aquelas renas vuandu...
Sem asa é mêi isquizitu
No prezépi ta u minino
É Jesuis o pequenino
Qui todo dia eu vizitu.

Mai o Tiãozin ta acuado
Nun cantin intristicidu
Causa du presente qui nun ganhô
Dum Noé discunhicido
As rádia ficô a nunciá
Qui nas noiti di Natá
Ele ia ficá aparicidu.

E Tiãozin isperô tanto
Paul Mick brincando
Com seu presente bunito
E com sua bola quicandu
O bixin inté tristeceu
Qui inté u’a carta iscreveu
E nela ancim ia cintandu.

Papai Noé nun judia deu
Os pobri das vizinhança
Paçô o anu todu falandu
Qui o sinhô nas sua andança
Os presente ia aqui trazê
Xega o Natá e eu tava a crê!...
Era éça a minha esperança!

O sinhô foi na casa de Paul Mick
Fio de Daltué fazendêro
Foi inté na casa di Paulo Vito
Fio daquele banquêru
Pruquê nun foi no meu ranxin
Levá o meu presentin
Min arresponda içu digêru?

Eu preciso bem sabê
Pruquê o sinhô num mi vizitô
Si in todas as casa dus rico
Os presente eles ganhô
Min diz inton Papai Noé
Eu devo tê inda éça fé,
Ou nun devo mais querditá nu sinhô?

Min arresponda queru sabê...
É tantu anunçu nas tulevizão
A inxê meu zóio de vontadi
Ou será qui tudo aquilo é iluzão?
Pruquê tanta presentança
A min inxê de isperança!...
Min diz papai Noé, num tapia não!

Todu anu fico isperanu
Cum meu sapatin na jinela
Pruquê min garantiru
Qui u sinhô vinha na favela
Mai eu tenhu percebidu
Qui meu tempu foi perdidu
E qui a históra nun era aquela!

Qui agenti iscuita por aí
Qui todu mundu vévi a contá
Qui o sinhô visita us pobri
In todas as noiti di Natá!...
Veju u’a festa das cumelança
Ondi o pobri num tem isperança
Pruquê nunca vai ci igualá.

Cuntentu cum mia bola di mêia
Di panu véio qui axêi nu quintá
Cum ela brincu cum o Quinca
Nua aligria qui nun tem iguá
Nun querdito mai noçê Papai Noé
Ocê é coiza qui us grandi incré
Inventaru pru Natá!

Airam Ribeiro

www.usinadeletras.com.br
e-mail airamribeiro@gmail.com.br

3 comentários:

Milla Pereira disse...

Boa tarde, poeta. Passando para conferir uam vez mais a beleza deste espaço. Bom ver uma poesia de meu cumpádi Airam Ribeiro aqui. Abraços,Milla

Milla Pereira disse...

Mininu du céu, dorei essi treim aqui, sô. Eu tomêm tenhu um brógui du sertão e tá bunitim dimais da conta. Tô isperânu sua visita lá prum cafézim quentim i uns pão di quejo tomêm.
Bração proce, cumpádi. Milla Pereira

Eliana disse...

Eita Airam. Gostei do cordé puxandu as orêia do tar du papai noé. Bração e beju na boca. MIRAH.