xororó du goias canta paixão de homem

sábado, 30 de maio de 2009

Doce de leite

{#}Discubri um modo bão de faz~e este doce

Compri 1/2 kilo de leite em pó

Coloque numa panela

Coloque tumém,mais duas xicra de açuca....

Vai mexenu, mexenu, ate disgruda e fica mode q marrom

Se quisé, misture côcu raladu

Coloque em assadera untada

Dexa esfriáaaaaa dona..pra nun si queimáaa

Eh bão dimaisssssssssss{#}

Receita di Abobrinha à Caipira

2 abobrinha 100 grs de baycu 100 grs quejo raladu 1 tomati cortadinhu 2 denti de áio 2 cuié de ... ACRESCENTI OS AIOS,CEBOLA,COLOQUE OS TOMATES, REFOGUE BEMMM DESPEJE A ABOBRINHA Q VOS MECE BATEU, E MEXE..MEXE...DEIXE COZINHA POR 5 ..

amodacaipirapravosmece Receita do Fejão Caipira

1 kio de fejão do bão ( meu é coido aki na roça)

1 poco de sar

1 cuié de gordura (matei um porco semana passada mermu , ta fresquinha)

1 punhado de sarsinha

2 denti de aio(coido aki da roça mermu tumem)

Coloca lenha, um punhado e taca fogo, ali dexa cuzinha por 30 m

Dispois coloque us ingridientes fritadus na gordura, a minha ta fresquinha, hi hi

e culoca no fejão pra mode ferve...

Ai q diliciaaaa.....

A CAÍPIRA ZANGADA III

Minha zanga já passô
i vortô o qui ieu quiria:
us meu versu qui restô
modi inventá fantasia."

"Amu as dama i us cavaleru
qui brincaru aqui cumigu
apesar dus leru leru
mi decraru: ieu sô amigu."

Aimberê Engel Macedo

***

Ocê tá muitio inganadu,
A ciranda cuntinua,
Teim velsu pra todu ladu,
Da dança ninguém recua.

Ocê deu u seu amô
Pras dama i us cavalêru,
Provi issu, pur favô,
Veim dançá cá nu terrêru.

Claraluna

***


Nessa ciranda não entro
Por total incompetência
Já entrei pro mato a dentro
Procurando essa vivência.

Celina Figueiredo

***

Num si apoquenti, fessôra!
Ocê é a nossa mestra,
Num trabaiô ni lavôra,
mais podi dançá na festa.

Claraluna

***

O caipirez está arretado
com o peito estufado
digo com as tar letras
caipira gracås a meu bom Deus
Airam é capetoso, quando que é educado
vou cornetar que o cumpadri é oreia seca
vive contando paiá
num credite nele não
Vô pra casa carcá o istomago
Se esse caipira enfezado
tirar ocê do sério
eu vorto correndo
pra modi da um pial nesse muluque.

Sonia Ortega

***

E chegô lá du Japão
um recadu ingraçadu
Da Sonia Ortega, qui bão,
chegô meio atravessadu.

O importanti é qui ela
Vistiu chita modi dançá,
Na trança, fita amarela,
Pra rapaziada oiá...

Claraluna

***

Eita, que muié danada
cirandeira da mió,
má nos copo eu num vê nada,
bota caipira qu'é baum!
Tera Sá

***

Ocê já chegô tomano,
Um aguardenti du Portu,
Us passu tão bambeano,
Num tá veno nem meu rostu.

Claraluna

***

Clarinha, pruque cê num pruveita
e chama esses povo pra uma festa nu arraiá?
Aí fica tudo amiguinho,
dispois de tomá um quentão
in vorta da fugueira de São João.
Nois inté dança quadria
pra esquentá do frio e alegrá o coração.
Nóis come batata doce, biscoito e pipoca.
E todo mundo fica é filiz!

FerNanda Araújo

***

Ocêis tão veno isso aqui,
é um cunvite-sugestão
Quem quisé, pra garanti,
mandi a cunfirmação.

Claraluna

***

Bão dimais é o Bernardo,
mais tive que po di lado,
a caminho dos gerais,
vortei prá trais, pru mode trovar aqui,
apiei em Cumbari,
a pois nóis cá de Goiás
gosta de ocê dimais,
inté prantei uma fulô
pra vosmecê sinhá Clara,
num arrepara na singeleza não siazinha foi prantada cum amô.
Agora eu vô vortá pro Gerais,
fica cum Deus Nosso Senhor,
na Glória e na Santa Paiz!

Dorothy Carvalho

***

Minha gente, num querdito!
Óia quein chegô pa festa,
Cum o seu cantá bunito
Aparandu as aresta.

Ocê é muitio benvinda
puetisa talentosa,
Pa entrá nessa berlinda,
Tu é tão bunita e cherosa.

Claraluna

***

Se é pra cirandá nóis vai
Verso bunitu nun sai
Mas male nun faz
Todos tem piedadi
De um pobre dotô
Que saiu do meio do mato
E nunca mais vortô.
A amiga Susana chamô
Tenhu que fazê as honra
Pra mostrá a lusitana
Como se faz uma ciranda.

Meriam Lazaro

***

Meriam, sua cantiga,
Chegô bem nesta ciranda,
Susana é nossa amiga,
É ocêis duas qui manda.

O importanti é u recadu
Qui ocê deu di boa vontadi,
Dexano u medu di ladu
Vali aqui nossa amizadi.

Claraluna

***


Tamém quero mi achegá,
Nessa ciranda das boa,
Mi aproiximá divagá,
Prá domar essa patrôa.

Caipira zangada é ansim:
Se trata cum braço forte,
Mas tem que sê cum jeitim,
Sem abuisar da sorte.

Tem que ter dispoisição,
Pois custuma sê forgada,
E sem muinta discursão,
dá um bejo na danada,

E dispois oiá no zóio,
Da cabrita já mansinha,
I dizê com muitos móio:
Ocê já caiu na minha.

Dalto Gabrig

***

Óia só quem chega agora,
inda vein cum atrivimentu,
Passa um mês tudinhu fora
Im casa só dexô ventu.

Quasi qui murri di fomi
cum a farta di seu amô,
Qui castigo dá prum homi
Qui dexa sozinha a flô?

Us versu deli é bunitu
Mais num pensa qui ingana,
Essi moço, essi cabritu,
Sabi qui eu sô tirana...

Claraluna

***

Eu venhu das gerais...
Comu quieta divargar...
Mais pra uma muiê cumo ôce...
mi fais inté prusear!!!

Ocê é uma muiê muitio bunita...
qui apricia cirandar...
I cum muitio contentio
eu quiria participar...

cantu móda de viola...
qui faiz inté chora...
Mais eu ti garanto qui brava ocê...
Num vai mais ficà!!!

Irlene Chagas

***

Chegô la di Uberaba,
A puetisa morena,
Pra ciranda qui num acaba,
pois tá valeno à pena...

Irlene tu podi entrá,
Canta us versu qui tu sabi,
Pois a roda vai girá,
Qui animação num si acabi.

Claraluna

***

Ô amiga, eu tô achâno
Qui o pueta qué é briga
Num sabi o qui tá falâno
Já cumeça cum intriga.

O amigo Aimberê
Agora já tá dimais
Tá querêno mi batê
É mió num falá mais!

Eli devi versejá
Purquê tá muitio cunfuso
Si assim cuntinuá
Eu vô chamá o meu Muso!

Eli anda mei ausente
Aqui do nossu Recantu
Purquê tadin, tá duente
E fica lá nu seu cantu.

Mai si eu chamá eli vem
I num tem mais trelelê
Eli só qué o meu bem
Vai si havê cum Aimberê!

Milla Pereira

***

Minha mana, ocê tá certa,
O Aimberê foi ousadu,
Mai achô a porta aberta
i entrô todu apressadu.

Si ocê chamá u muso,
Pramodi ti defendê,
Pegui da roca o fuso,
Pa ajudá eli a batê.

Agarantu qui eli aprendi
inda vai saí correnu,
I as carça eli suspendi
Di medu, quasi morrenu.

Claraluna

***

Óia que jájá acabo,
cum essa sua tirania!
Ocê sabi qui mi gabo,
Pusque sô bom minha fia!

Tivi sim uns tempo fora,
Qui sô muinto dispuitado,
Maisi agora num demora,
Dexa entrá u seu amado!!

Sô um homi irresistivi,
I ocê bem sabe disso,
Santo Antonho qui ti livre,
Di ficá sem meus "sirviço"(..rsrs).

Abre di mão das frescura,
I aceita us meu agrado,
Isnobá minha formusura,
pode inté di sê pecado.

Dalto Gabrig

***

Todu mundu é tistimunha
dessa tua safadeza,
Defeitio com qui ti impunha,
Cum a falicida Teresa.

Mai cumigu é diferenti,
tu vais pisá miudinhu,
Santo Ontonhu é decenti,
Vais miá cumu gatinhu...

Franceisim disaforadu,
Só prumodi eu amo ocê,
Vein dizê qui é disputadu,
Faiz-mi ri, só di dizê...

Ocê vê si toma tentu
si quisé meu coração,
Pois somi talquá o ventu,
Quanu chega u verão.

Claraluna

***

Vortei da róça correno
Qui inté trupiquei nu xão.
Ninguém ta min tendeno
Pruquê tumei u trupicão.

É qui devido as consequença
Nos causo das trovação
Sonia Ortega deu um recado
Para min lá do japão.

Dizeno qui fartava eu
Ancim toda margurada
Pruque num apareceu
Néça tercêra trovada?

Intonci aqui eu vim
Pra pudê participá
E dizê procêis ancim
Qui tô feliz pra daná.

Êcis amigo são dimais
Tenho eles no coração
Uns sabi meno ôtros mais
É ancim as trovação.

Fazê trova é iguá coçá
Agente vai tocano as unha
Num tem portança se errá
Ninguém aqui é tistimunha.

Um insai aqui ôtro lá
Inté nóis pegá a linha
As trova vai se aprumá
Qui vai ficá bunitinha.

Eu já falei e arrepito
Na Clara ninguém taca a mão
Ocêis já viu qui eu tenho dito
Num quero ranja mais questão.

Tem gente qui somi
E vai chegano fazeno fita
Oia só a pose do omi
Xamano nóça Clara de cabrita!

Cadê o pueta dadô
Será se sumiu o Pedrin?
Mais seja lá cuma fô
Vô acertá isso sozin.

Airam Ribeiro

***

Agardicido cumpadi,
pur defendê sua amiga,
Eu conto ca sua amizadi,
pra mi tirá das intriga.

O francêis tá custumado
cantá di galo na roça,
tá sumidu u disgramado,
abandonô a paióça.

Quano eli vortá aqui
vai incontrá as mudança,
Nun diantará insistí,
vai perdê a sua chança.

Claraluna

***


Na ciranda vô dançá
Tuda noite, a noite intera,
Pra morde di mi ispraiá
Do mar do amô... Qui bestera!!!

Sô caipira sim sinhô
Mai não sei mermo dançá.
Dona CLARA mi dechô
Intão vim iscrivinhá.

Um bá noite pra nhá Sonha
Qui veiu lá do japão.
Ô muié boa e risonha,
Receba um baita abração!!!

Lucas

***

Nesta ciranda ocê dança
mermo qui ocê num subê.
inté vortáa sê criança,
Ou iscuiê sua muiê...

Suas trovas são bacana,
Ocê é bom trovadô,
Nóis sabi, nunca si ingana,
Vein pra roda, pur favô...

Claraluna

***

colega tumei gostu da festa...
qui inté vortei aqui...
eu ia isquecendo...
du espantu quandu ti conheci...
muiê bunita e puetisa...
neim sunhava tê...
mais ocê cum seu jeitinhu...
mi fais inté dilirar...
quandu sua puesia...
faiz todus nóis inté chorá...
Ficu inté cum dó du franceis...
quandu ocê cumeçar a prusear...
coitadinhu da oreia deli...
neim isso vai suportá...
naum imagina a cabrita...
qui eli tá mexenu...
pegá eli di jeito e cai por riba do fenu...
Num vai dá contá do recadu...
vai dizê merci bocu e vai sai correnu...
I mau sabi eli a muiê qui tá perdenu!!!!

Irlene Chagas

***

Muiê valente, mineira,
Puetisa recantista,
Brigadinha da maneira
di falá cuma avalista...

Claraluna

***

Minina a coiza aqui ta boa
Vou logo ficano aqui
num vou ficar atoa
e num teino pra onde ir.

as festa de Claraluna
são muito da animada
hoje é noite de lua
e estou apaxonada.

vou isperar meu muso
pro mode nois namorar
ele às veiz é bem confuzo
mas já confeçou mi amar.

Ficu aqui bem quetinha
olhando os zoutro dançá
quero istar descansadinha
quando meu amor chegá.

Angela Rodrigues Gurgel

***

Anja, fique à vontadi,
podi isperá seu amô,
Pois um querê di verdadi
É tão lindo cuma a flô.

Eu ficu muitu contenti
pur ocê vir pressa festa,
Tá fartano muitia genti,
Cá nu meio da floresta.

Claraluna

UMA CAIPIRA NA ERA DE AQUÁRIO

Tão dizenu qui agora
chegou a era de aquário
intão eu vô sem demora
na loja da Isadora
comprá uns pexe gregário

Já separei a vasía
um garrafão qui cortei
vai sê uma maravía
o garrafão la na pia
cheinho di pexe rei

Eu que nun fico de fora
qui eu qui num sô otário
vou já intrandu agora
que é pra num perdê a hora
na tar de era du aquário

Já peguei no robeirão
umas pedrinha bonita
mó di dexá bem lindão
meu aquário garrafão
ponhei um laço de fita

Vô inté cuida direito
ponhá só água di bica
fazê tudo du meu jeito
dexá tudinho perfeito
tudo na maió estica

Sô caipira informado
tô di olho nas nutiça
Já tenho tudim arrumado
e to indo nu mercado
dei um bico na preguiça

I pra incerrá a cunversa
Viva a era dus aquário
us peixe feliz a beça
i nóis vivenu sem pressa.
Vô indo, já deu o horário!

Algumas diferenças entre a fala caipira e a norma culta

norma culta dialeto caipira
nós (1ª pess. plural) nóis
alfinete arfinêti(e)
falso fársu
melhor mió(r)
os calmantes us carmânti
alvorecer arvorecê
você ocê
nós fomos nói fumo
nós voltamos nói vortému
Corinthians (clube) Curíntia
Palmeiras (clube) Parmêra
cigarro de palha cigarru di páia, picadão
fósforo fósfiro, fosfro, forfro...
mulher muié
homem ómi
computador computadô
bom bão
filho fiu
olho zóiu
telha têia
compadre cumpadi
eles ês
de você d ocê
claro craru

domingo, 3 de maio de 2009

belissima canção

CHICO BENZETERO

[Fabiola Kruse]
Achei tudu tao bunitim
qi vô contá procês os acunticidus:
Tava eu centada num banqim na portera
de casa ruendu os cotôcus das zunha na maió
afrição pruqe meu amô mi dexô na mão..
Chegô Chico benzetero ca maió boa intesão
e falô: Zefinha teu santu qer reza pa afasta di
tu o bixu de zureia grandi, pé xato e rabim.
Oxen chico, tu indoidô? Eu tô sufrendu é de
már de amô..
Vô ti benzê assi mermo prá afasta di tu má
oiado, inveja e a pesti caxacera du teu namoradu..
É, aqele mermo do zureia grandi, rabim
curtu e pé xato!!
Fiqei di zoio trocadu cum tanta mandação,
i falei: nimim tu num bota a mão,
pruqe tô sofrendu di má de amô nu corasão..
Abri os braços e mostrei prele desti tamanhão!!
O Chico Benzetero num se abalô.. catô foia
de afavaca, capim santu, capim cherozo,
um moi di qeba peda , ajuntô a mataida
fez uma basôra i dimim si aproximô..
Sinti um faniqito pruqe os braço, a mão do Chico
iera tamanhu da mão de um pilão.
I a basôra da mataiada no meu coipo ele
usava cum rapidez, sabiduria e maistria..
Cumeçô passandu nas minha parti, ora do
zumbigo prá riba, ora do zumbigo
prá baxo, i era um tar de subia i discia
qi toda ieu amulicia, suspirava
i gimia..
Intonce ieu deitei falasão, tá bão chico ja tô
de zoins viradus, arripiada do cabelu ao
dedão do pé, inté os cabelus da
perna trançadu já ficô.
As foias muxô, os zoiados acabô,
a inveja se mandô, o már de amô tu curô..
I Chico Benzetero safado, me dixe ainda nao..
vamu pro riachu vô banha ocê em água benta,
fazê muita orasão prá sarvar teu
coipo i o corasão...
I num é qi ele sarvô !! Inté oje
O Chico Benzetero, mi banha em
agua benta, cuntinua fazer orasão,
ieu num sofro mai de mar de amô..

Cumadi Anna Maria, Cumpadi Aimberê


Inspirado no texto “Proseanu cum Cumpadi”
de Ana Maria Gazzaneo

Issu acunticeu num dia
Qui eu tava vadianu
Vi a Anna numa aligria
Cum Aimberê cunversanu.

Elis sairum ligeru
I nem mi virum chegá
Fiquei só lá no terrêru
Sem ninguém pra prusiá.

Eu fiquei cuma vontadi
Di cum elis cunversá,
Intonci na minh’a sodadi
Dexei umas trova pur lá:

“Oceis cumpadis, num sabi,
Qui nessa briga eu entru
Pur ocê minha cumadi
Trovadora di talentu.

U Aimberê é meu parcêru
Di trovinhas salienti,
Quano vamu pru terrêru
U povu sorrí cuntenti.

Mais eu ficu matutanu
Oceis dois nu carnavá
qui será qui tão armanu
Oceis podi publicá?"

Inté hoji eu num sei
Cuma foi o carnavá.
A resposta inda num vei
I eu tô aqui a isperá.

Cumadi Ana Maria
Informi aqui para eu
Num mi dexe na agunia
Diga u qui acunticeu.

(Hull de La Fuente)



Cumpadi Aimberê dissi qui tava no ispá drumindo. Então...


"Dona Hull, minha cumadi
ieu drumi nu carnavá;
eli pulô, ieu nem vi,
pois curtia u meu ispá."

"Ieu sonhava qui a cumadi
num parava di falá;
adispois, pois Tito Madi,
na vitrola a mi acordá."

"Quantu a Ana,sei di nada,
sei qui trova sem pará;
comu tu, ela é engraçada,
faiz das letras carnavá"

"Mais agora vô contá
qui ieu nunquinha contu tudu
qui é prus ôtrus num injoá
dessi lôco linguarudu."

Aimberê Engel Macedo



Milla Pereira rebati a fala di cumpadi Aimberê. Quem tá cum a verdadi?

Cumádi, ocê num sabi
O quequé qui acunteceu
A verdadi aqui num cabi
Vão ficá cum reiva d'eu!

Mai cumádi Ana Maria
Sobrinome Gazzaneo
Pulô cum a fantasia
Aquela qui deus lhe deu!

Aimberê, salienti
Num paráva di pulá
Foi um horror, minha genti
Eu vi -pq tava lá.

Curria qui nem um lôcu
Atráis di toda muié
Catava o samba, afoitu
I elas davam no pé!

Vortô pra casa bem tardi
I apanhô da patroa.
O bumbum ainda ardi
Lavô atè cum quiboa!

Milla Pereira





Minha genti essa cunversa
Ta toda atravessada
Si Aimberê durmiu à bessa,
Cuma tava na parada ?

A Milla jura qui viu
Sabi du qui acunticeu
Cuma ela nunca mintiu
A verdadi apariceu...

Hull de La Fuente




Cumadi Ana Maria num qué falá du ocurrido. Fais, bem. Beijus cumadi...

Pois cumádi, deixe está
Era coisa dele e meu
Num era pá fofocá
Mió a galinha cumeu.

Deusolivre eu num conto
Podi falá as cumadri
Depois me livro do encanto
e confesso só po padri.

Hererê cumadis? Ocês são munto curiosa i faladeira SÔ! Nóis num podi facilitá sinão a porca vai piá! AH si vai!

Ana Maria Gazzsaneo



Cumpadi Aimberê vortô prumodi adefender-si do que falô cumadi Milla.


"Cumadi Milla Perêra
cafundiu aio i bugaio;
fui atráis da bananêra
pra obrá argum trabaio!"

"Ela jura di pé juntu
qui jamais fala mintira;
mais agora, nêssi assuntu,
feiz di conta qui assistira."

Aimberê Engel Macedo.



Inté Cumpadi e mano Pedrinho, vei di lá do Isprito Santo modi falá arguma coisa pra isclaricê essi furdunçu.


Sei qui num fui xamádo
Máis eu perciso me metê
Pôis dexáro a Claraluna
Sem sabê o quique fazê
Com munta curiozidade
Sobre Ana María e Aimberê!

Êle falô só agorinha
Que táva num tár Ispá
Dévi tá cuma barigona
Daquélas mermo de ispantá
Inquanto a Ana passiava
E aproveitava pra versejá!

Óia,cumáde Milla Perêra
que só amizáde conquista
Máis os pobrêmas ni seus dente
Já iscureçe inté as vista
Mermo sem dirêito cunheçê
Eu vô garantí pra vosmiçê
Percure nósso amigo Aimberê
E tróqui logo seu dentísta!

Beijos maninha, beijos pra Ana Maria, pra Milla e só um abração pro Aimberê!

Pedrinho Goltara



Cumadi Ana Maria ficô priocupada, mais um paladino justicêro vem socorrê ela. Ô siria uma paladina?


Testemunha deste mar
Já tá seno a terra intera
Miór vai sê cunfessár
Sinão vai sobrá bestêra.

Verdade quem sabe lá
Dona Milla, fofoqueira?
Ou o moço du spá
QuI durmiu, na bananêra?

Te um outro aí, chegado
Das cumadi e du meu lado
Qué falá só o quI acha
Mas já vejo que o balaio

já pendeu po lado e gaio
Di arruda, num ajuda!
Craraluna vem me acuda
Num dêxa eu di carça curta

Conte quár foi a jogada!

kkkkkkkkkkkkkkkkk Segura a pitéka uai!
Ana Maria Gazzaneo



Devo intercedê pela minha cumadi. Afinar, minha mana tinha isquicido us óculu in casa...


Cumadi Ana Maria
Óia só qui situação
A Milla jurô qui via
A sinhora nu cordão.

Mas óia, naquele dia
Os óculu ela isqueceu,
Era outra Ana Maria
Cum a pele que Deus lhe deu.

Ocê fica assussegada
Num simporta quissu não
Ocê tava cumportada
Nem tava cuns fulião.

Inquantu Aimberê roncava
Num ispá das bananeras
Cuntenti ocê sambava
Disfilanu na Manguera.

Hull de La Fuente



Milla um gostia de sê chamada di mintirosa nem di fofoquêra i vortô pra si defendê:

Eu num gostio di mintira
Nem de ficá fofocanu
A verdade ninguém tira
Du zóio qui tão oiânu.

Eu jurei qui num contava
Purque são meus dois amigu
Aninha, num fica brava
I num vem brigá cumigu.

Mai na verdadi eu vi
Aimberê di biriba
Co’a morena saputi
Qui paricia uma biba.

Cuânu mi viu siscondeu
Atráis di uma rôbada
U qui a morena bebeu
Quiaiz qui morreu ingasgada.

Aninha, avermelheceu
Mai permaneceu durona
Dali si iscafedeu
Pra num sinrolá co’a mona!
(Milla Pereira)



Eita qui a cumádi Ana Maria
qué purquê qué sarvá
a peli di Imberê:
(rsrsrsrs)

Oiêm bem meu cumpanhêrus
Crara, Pedu e mais quem fô
A danadinha vortô
Com seu jeitinho matrêro

Preste tenção, faizfavô
Ela qué mesmo o pulêro
tár o galo cantadôr,
Mais se viu, memo o entrevero

Inté agora não provô!
Eu num tenho o dia intêro
E o Imberê , meus amô
é moço bão i ordero.
( Bota órde, sim sinhô)

Num divia sê o centro
deste furdunço i horrô!
O carnavá já passô
A dor di cornu, tumém

Nóis devia cum fervô,
esquecê essi baita trem
qui num faiz bem pra ninguêim

Botanu us panu quenti na bunda da criança... kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
(Ana Maria Gazzaneo)


Cumpadi Aimberê ama e detesta no mermu tempu. Mais qui é boa sua prosa, isso é.

Essa Milla insuportáver
tá quereno cunfusão;
sóbi in riba du cadáver
inda deita falação."

"Mesmu ansim ieu gostio dela,
das mintira qui ela prega;
vô torcê sua espinhela
queru vê si ela sossega."

"Ieu já dissi fui pru ispá
lá cheganu vi u Goltara
tempu todu a reclamá
du seu denti qui não sara”.

"Dêxo um bêjo pras mininas
Ana, Hull, inté pra Milla
nóis si cruza nas isquina
ou intão narguma fila."

Aimberê Engel Macedo


Adispeçu doceis :

Amizadi entri us cumpadis
É coisa muitu prezada
É vitória da amizadi
É brincadera istimada.

Agardeçu a todu mundu
Qui aqui vei versejá
Adorei cada sigundu
Vamo di novu marcá.

Cumadi Ana Maria
Ocê foi uma gracinha
Aimberê é aligria
Issu num digu suzinha.

Cumadi Milla, minha mana,
Cum’ela num tem ninguém
É uma pessoa bacana
Nasceu pra fazê o bem.

O Boto manu Pedrinhu
Inroladô divertidu,
cunfundi atum cum bagrinhu
Mas é um manu quiridu.

Boa noiti prus amigu
Intonci vou mi deitá
Venham sempre tê cumigu
Pur certu vô adorá.

Hull de La Fuente


Milla acho miò si calá
pra num tê mai cunfusão
I si dispedi dus amigu
inté ôtra ocasião:

Eu vô é ficá calada
Quissu aqui já tá fedênu
Sinão eu sô processada
De falá sem tá sabênu.

As pessoa faiz bestêra
Dispois num qué assumi
Ieu nu meio da fuguêra
Vô dizê qui nunca vi!

O Imberê foi pra náiti
Percurânu aligria
Tomô argum birináiti
Sincontrô cum Ana Maria.

Us dois mi telefonáru
Pra ieu nada dizê.
É mio ficá calada
Ô intão, fô mi F (#@&)
**Rsrsrsrs... Beijos!**
(Milla Pereira)

Maninha, ocê tá isperta pur dimais!
Eu tava lá colânu u texto
di Aimberê i u meu
i ocê chegô primêro!
Rsrsrsrs...

Os dotor da minha vida


Um otro disgosto meu,
são os dotor e as dotora,
que entraro na minha vida,
ao perdê mia genitora.
Cumecei a fazê bestagi,
casamento e beberagi,
e faiô a caxa motora.

Meus falicido nem dianta,
puxá na prosa traveiz,
puis pareci que to veno,
eis de foice e soco-ingreis,
mi esperano lá na entrada,
dessi tar de céu das cabra,
módi acertá conta cu'eis.

Mai ceis deve si lembrá,
duma dotora do cão,
que me pruibiu de tudo,
inté cumê macarrão.
Bacaiau e rapadura,
nem jabá e otra mistura,
pió qui uma sombração.

Dela eu inté mi livrei,
que um dia mi dispensô,
dispachô eu prum veinho,
que eu já num sintia dô.
O véio perdeu o prumo
e di novo me deu rumo
pro ambesp me incaminhô.

Lá chegano fui dizeno,
ceis capricha pur favô,
mi dê agora dotô bão
que faiz coisa cum amô.
Aquela distrambelhada
que num dexa cumê nada,
nela nunca mai que eu vô!

Me mandaro lá prum turco,
bãozinho como ele só,
bem sorridente e facero,
cheguei inté ficá cum dó.
De judeu eu nem falei,
que eu ispaio, num contei,
as guerra e forrobodó.

Afinar eu num sô boba,
se ele discobre, to frita,
vai me dá argum remédio,
sem botá laço de fita.
E antis que a vida eu perca,
bateno o rabo na cerca,
mió a mintira bendita.

Puis é, mai nesse interím,
o zóio tamém faiô,
e a dotora lá do ambesp,
im nada num resurtô.
Intão fui numa das boa,
que num gasta prosa à toa,
e só atende quem pagô.

Mai anti eu num pagasse
que a muié mi violentô,
falano tanta bestagi,
que o coração inté surtô.
Diz que eu ia ficá cega,
que o zóio tinha umas prega,
mai um bando de xororô.

Fiquei quasi pá morrê
di disgosto e apreensão,
afinar sê malamada,
é mole pro coração.
Mai cegueta, meus amigo...
Deus, num faça isso cumigo!
Num mereço essi quinhão.

Rezei um bando noite e dia,
e os ixame fui fazê,
tudo nu dinhero vivo,
vale dizê, sem nem tê.
Tira retrato pra cá
tira retrato pra lá,
pá meu zóio eis intendê.

Onti ela deu o veredito.
E num quero aqui mardá,
mai sua cara era certinha,
cara de ku sem lavá.
Diz qui tinha si enganado,
tarveiz só ixagerado,
cegueta eu num vô ficá.

Rispirei aliviada,
num foro im vão minhas prece,
que eu incaro as deficença,
perna torta num aburrece,
eu mi viro ku qui tenho,
dá inté um bão disimpenho,
Mai cegueta... quem merece?

Falô que eu tenho defeito,
di nascença, de famia
que argum dos meu ancestrar
tinha tamém essa arrelia.
E que o zóio inveiceu
bem mais anti do que eu,
mai pra isso tem magia.

Fiquei mais assussegada,
que sê véio num é defeito,
sinão os meus coleguinha,
nenhum seria perfeito.
Purquê vamu cumbiná,
Se essa tar lista eu somá,
deiz mir ano é dito e feito.

Mai num magoem cumigo,
eu amo ocêis memo assim,
sigurano nas barranca,
fingino num vê o tar fim.
E ispero de coração,
que a genti viva um montão,
gastano prosa xinfrim.

(Tere Penhabe)
Santios, 29/04/2009
www.amoremversoeprosa.com
http://artculturalbrasil.blogspot.com/2009/01/terepenhabe.html

Esse paper foi feito pelo Ju, grande Ju!
A muié de ocrus de ceguinha sô eu memo, o ocrus era da Cici... presente do namorado dela (presente de grego, se diga); a peste na parede ainda é o memo inté hoje, só mudô o dotor memo... a peleja cuntinua...
inté pro cêis

(Terê das Bêra Mar)